post-title portfolio-title Volume 13 / Julho – Setembro 2014 2017-12-19 15:23:46 no no

Volume 13 / Julho – Setembro 2014

Revista SPR 2014

Nas últimas décadas, presenciamos a evolução da reumatologia nas diversas áreas, da etiopatogenia às novas terapias e dos novos critérios diagnósticos aos atualizados guias de tratamento. Nessa evolução, notamos ainda que o tratamento não medicamentoso passou a receber maior atenção, tornando-se parte fundamental da abordagem da maioria das doenças reumáticas. Nesse contexto, a reabilitação vem também progredindo e acrescentando cada vez mais evidências de seus benefícios aos pacientes reumáticos. Os principais pilares na reabilitação de doenças reumáticas são a educação do paciente, as orientações de proteção articular e conservação de energia, o uso de dispositivos (órteses, palmilhas e auxiliares de marcha), os meios físicos e os exercícios físicos. Associadas ao tratamento medicamentoso, essas intervenções conferem melhora dos sintomas, da função, da capacidade física e da qualidade de vida. É necessária, então, a interação de uma equipe multidisciplinar composta por médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, educadores físicos, psicólogos e nutricionistas. As órteses de membros superiores conferem estabilização e proteção articular, levando à melhora da dor e da função das articulações afetadas. Em doenças articulares de caráter progressivo e deformante, como a artrite reumatoide e a osteoartrite, esses dispositivos são muito úteis e posicionam a articulação e/ou membro da maneira o mais funcional possível. Já as palmilhas, por distribuí- rem melhor as cargas, podem melhorar, da mesma forma, a dor e a função dos pés reumáticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *